Viajar é esbanjar?

Faça as malas!

Não conheço ninguém que não goste de viajar. Mesmo que seja para a cidade vizinha, a sensação de ser turista e de ser servido por onde passe é única e maravilhosa! A palavra chave para isso é satisfação. #satisfação.
A satisfação é um valor imensurável, embora alguns atribuam a ela níveis em uma escala, normalmente de 0 a 10. Os passeios inesquecíveis são aqueles em que o nível de satisfação chega mais próximo a 10. Baseado nisso, afirmo que um passeio, assim como qualquer bem de consumo, possui uma relação custo-benefício, levando-se em consideração o valor gasto e a satisfação gerada.
Custo-benefício é uma relação a ser considerada, principalmente em um momento turbulento da economia em que vivemos. Até porque a vida deve continuar.
Costumo dizer que viajo para viver, para adquirir experiência e conhecer novos lugares, mas viver para viajar não é um termo muito fora da realidade. Há pessoas que vivem para viajar, tornando isso o seu sustento. Casais que abandonam suas profissões para viajar pelo mundo. É possível, mas exige uma organização prévia. Fazer o que gosta e tirar dali o seu sustento é um dos objetivos mais perseguidos da atualidade.
Saiba que esta vida também requer disciplina. Para quem viaja de carro, algumas dicas são essenciais para a economia e também para evitar incidentes. Na estrada, frequentemente vejo motoristas que pisam fundo no acelerador e, ao se depararem com uma curva, lombada ou outro obstáculo que requeira a redução da velocidade, freiam bruscamente. Este é o pior inimigo de uma viagem segura e também do carro, pois além de aumentar o consumo de combustível e desgastar precocemente os freios, causa desconforto para os ocupantes do veículo. Uma condução desta natureza, em uma viagem de 200 quilômetros, faz o condutor chegar 10 minutos antes. O que você faz com 10 minutos de férias? Entretanto, seu carro terá que voltar para a oficina mais cedo. Um custo que não compensa. Além disso, se você é daqueles que se sentem "vivos" correndo, sugiro que façam isso em um autódromo.
Sendo assim, manter uma velocidade constante (velocidade de cruzeiro), pisar no freio só quando realmente precisar e usar o acelerador com racionalidade são aliados de uma viagem segura e econômica.
Caso a viagem seja de ônibus ou avião, busque destinos cujas atrações não sejam muito distantes do seu ponto de parada ou então, informe-se sobre itinerários de transporte público regular. Viagens de táxi e translado de vans, quando não inclusos em seu pacote de turismo, costumam custar caro. O valor gasto com este tipo de serviço pode ser de até 40% do valor total da viagem.
Então, seja se for viajar para viver, seja se for viver para viajar, a economia o fará ir mais longe e melhor.

Boa viagem!


Reserve aqui seu hotel ou pousada:

Booking.com

Posts mais populares

Casa De Bona: cenário de cinema em Farroupilha, RS

Caminhos de Pedra: uma casa na árvore e um café com mirante na Itália brasileira

Tour por Otávio Rocha: História, espumantes e chocolates