Veranópolis - RS

O local: 

Veranópolis, na Serra Gaúcha, é conhecida como a Capital da Longevidade, além de ser a Capital Nacional da Maçã. Distante 150 quilômetros de Porto Alegre, com seus cerca de 22 mil habitantes, trata-se de uma cidade pacata. Além do título a que lhe fora dado e das tradicionais vinícolas, traço típico do povo de descendência italiana que a habita, Veranópolis é rica em belezas naturais.

Onde fica:

O principal acesso a Veranópolis é a BR-470, uma rodovia que foi federalizada recentemente. O trecho de serra entre Bento Gonçalves de Veranópolis é bastante sinuoso, porém, belíssimo. Após passar pelo perímetro urbano de Bento Gonçalves, o estado de conservação do pavimento, é ruim, com buracos, degraus e deformações, o que requer a atenção dos motoristas. Ver detalhes

O que fazer:

Para quem vem de Bento Gonçalves pela BR-470, pode contemplar primeiramente o belíssimo Vale do Rio das Antas, através dos diversos mirantes construídos às margens da rodovia, no trecho de cerca de 15 quilômetros de serra, entre os Belvederes Ferradura e do Espigão. Do alto do Belvedere do Espigão, a visão panorâmica do vale instiga os turistas a fazerem uma parada.
Belvedere do Espigão, Vale do Rio das Antas, Serra Gaúcha

Dois quilômetros após o Belvedere do Espigão, no mesmo sentido, as placas indicam o acesso à caverna indígena, à direita. A caverna encontra-se em uma propriedade particular, mas é aberta ao público. O acesso é gratuito se dá por uma estrada estreita e não pavimentada, mas em condições razoáveis de conservação. São 4 quilômetros de carro, da BR-470 até o fim do percurso, onde há um espaço para estacionar. Neste local, uma imagem de São Francisco de Assis recepciona os visitantes. Há até banheiros à disposição.
Ao chegar à boca da caverna, uma surpresa: ela possui até sistema de iluminação interna, acionada por um interruptor instalado na entrada. Uma placa adverte o visitante para que desligue as luzes ao sair. Embora não haja cobrança para acessar o local, a organização é boa.
Caverna Indígena em Veranópolis, Serra Gaúcha

A iluminação no interior da caverna realmente favorece a visitação. Dentre câmaras e antecâmaras, a caverna impressiona pelo seu tamanho. Moradores locais afirmam que ela era utilizada como abrigo por povos indígenas.
Caverna Indígena em Veranópolis, Serra Gaúcha

Após apagar as luzes e seguir viagem, voltamos à BR-470, trafegamos mais 3 quilômetros até o acesso à Cascata dos Três Monges, à esquerda, também sinalizado com placas. O acesso é por uma estrada não pavimentada (cerca de 5 quilômetros da rodovia à cascata) No início, há uma encruzilhada, sendo que o caminho à direita leva à Cascata dos Três Monges, enquanto que o da esquerda leva o visitante à Cascata da Usina Velha. Seguimos primeiramente à direita. A cachoeira fica dentro de uma propriedade particular, mas é aberta à visitação e o acesso é gratuito. Na entrada, uma rampa íngreme e um portão com uma placa pedindo que os visitantes o mantenham fechado. Após passar pelo portão e subir a rampa, há um mirante de madeira no topo do morro, que permite uma bela visão do vale. Dali já se escuta o som da cachoeira.
Vales e montanhas da Serra Gaúcha

Um lugar magnífico e tranquilo! Ao fundo, tem-se a visão da cidade. Durante a caminhada no local, ouvi um turista comentando que uruguaios e argentinos visitam este local com maior frequência até do que moradores locais.
Parque da Cascata dos Três Monges, Veranópolis, Serra Gaúcha

Seguindo por mais 300 metros na estradinha, chegamos a um local escondido entre as árvores, onde há um mirante construído com uma estrutura metálica, que permite uma bela visão da Cachoeira dos Três monges. Moradores locais afirmam que a queda d'água ganhou este nome porque a falésia possui uma forma que lembra a de monges.
Cascata dos Três Monges, Serra Gaúcha

 Voltando até a encruzilhada e tomando o caminho da esquerda, são cerca de 6 quilômetros de estrada não pavimentada até a Cascata da Usina Velha. A estradinha de acesso não é muito boa, mas a beleza do local compensa o esforço!
Cascata da Usina Velha, Veranópolis, Serra Gaúcha

De volta à rodovia, percorremos mais 2 quilômetros até o Restaurante Giratório, um cartão de visitas da cidade de Veranópolis. O atendimento é feito mediante reservas e o cardápio envolve tudo o que culinária italiana tem de melhor. De lá de cima, tem-se uma magnífica vista da Serra Gaúcha, mesmo sob chuva.
Há mais fotos deste local magnífico em nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/viciadosemestrada/.
Para mais informações sobre esta cidade encantadora da Serra Gaúcha, acesse o link http://www.veranopolis.rs.gov.br/cidade/12/turismo




Reserve aqui seu hotel ou pousada:

Booking.com

Posts mais populares

Casa De Bona: cenário de cinema em Farroupilha, RS

Caminhos de Pedra: uma casa na árvore e um café com mirante na Itália brasileira

Tour por Otávio Rocha: História, espumantes e chocolates